INÍCIO FRASES :: MENSAGENS PIADAS POEMAS PROVÉRBIOS
RESENHAS TEXTOS SUDOKU TERMOS DE USO

quarta-feira, 25 de março de 2015

Sudoku Para Imprimir 105

Clique com o botão direito do mouse, salve a imagem em seu computador e imprima.


Sudoku Para Imprimir - Solução 105

Clique com o botão direito do mouse, salve a imagem em seu computador e imprima.


domingo, 22 de fevereiro de 2015

Sudoku Para Imprimir 103

Clique com o botão direito do mouse, salve a imagem em seu computador e imprima.


Sudoku Para Imprimir - Solução 103

Clique com o botão direito do mouse, salve a imagem em seu computador e imprima.


Como Ter Certeza da Salvação

Muitos cristãos, e as vezes parece que é a maioria mesmo, não tem certeza completa a respeito de sua salvação. Ou, ainda que acreditem que foram salvos, duvidam que a salvação possa ser eterna. Como, então, ter a certeza da salvação?

No livro de Isaías, capítulo 38 e versículos 18 e 19, no assim chamado Cântico de Ezequias, podem-se ler as seguintes palavras: "A sepultura não te pode louvar, nem a morte glorificar-te; não esperam em tua fidelidade os que descem à cova. Os vivos, somente os vivos, esses te louvam como hoje eu o faço (...)" Também no livro de Salmos, capítulo 88 e versículo 11 lêem-se palavras semelhantes: "Será referida a tua bondade na sepultura? A tua fidelidade, nos abismos?". E ainda, mais claramente, no Salmo 6, versículo 5: "Pois, na morte, não há recordação de ti; no sepulcro, quem te dará louvor?"

Tais palavras nos fazem ver e acreditar que o louvor a Deus é uma coisa totalmente ausente no reino dos mortos, também conhecido como "inferno", "hades" (grego), e "sheol" (hebraico). É o lugar para onde os mortos vão para ficarem guardados até o dia em que todos os seres humanos que já passaram por esta terra comparecerão a presença de Deus, para serem julgados e receberem a sentença que decidirá sobre o seu destino eterno, conforme está escrito no livro de Apocalipse, capítulo 20, versículos 11 e 12: "Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros".

Não se encontra no inferno, portanto, quem louve a Deus. O inferno é um deserto espiritual! Um verdadeiro crente não poderia ser encontrado lá, pois nem mesmo aquele lugar conseguiria extinguir em seu espírito o sentimento de louvor e adoração a Deus que é o que distingue os discípulos salvos daqueles que não são nem uma coisa nem outra. Todo crente verdadeiro adora a Deus em seu espírito, pois "Deus é espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade" (Jo 4:24); e "Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne" (Fp 3:3).

Logo, o que devemos fazer para termos certeza de nossa salvação é, primeiramente, examinarmos a nós mesmos e simplesmente constatar que adoramos a Deus em espírito e em verdade, e que o louvor de Deus habita em nosso coração. Seguimos o conselho que o apóstolo Paulo deixou escrito em 2Co 13:5: "Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados." O que é ter fè? Crer. O que é crer? Conhecer. Quem conhece a Deus e o ama, louva suas qualidades. Em Romanos 8:1 está escrito: "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus te livrou da lei do pecado e da morte". Reparem nas palavras dos dois versículos: "Jesus Cristo está em vós" e "os que estão em Jesus Cristo". É a mesma coisa: Cristo estar em nós e nós estarmos nele. E o que traz como consequência para nós a lei do Espírito da vida (em Cristo Jesus)? Louvor! No evangelho de Lucas, capítulo 1, versículo 15, anunciando o nascimento de João Batista o anjo que apareceu a seu pai Zacarias disse-lhe, entre outras coisas: "Pois ele será grande diante do Senhor, não beberá vinho nem bebida forte, será cheio do Espírito Santo, já do ventre materno". Disse, ainda, o anjo a Zacarias: "Em ti haverá prazer e alegria, e muitos se regozijarão com o seu nascimento" (Lc 1:14). O homem que tem o espírito de Deus em si traz prazer, alegria e regozijo aqueles que são receptivos ao evangelho. Mais adiante, no capítulo 2 do mesmo livro, lemos que Maria foi visitar a mãe de João e, "ao ouvir a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; então Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. E de onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro em mim" (Lc 1:41-44). O fruto do Espírito é louvor! Só os crentes salvos ou destinados à salvação louvam/adoram a Deus em Espírito e em verdade. Para estes já nenhuma condenação há.

Qual pai existe neste mundo que não esteja predisposto a livrar de qualquer condenação o filho que, apesar de ter cometetido inúmeros e grandes erros, ele reconhece que o ama? Quanto mais o nosso pai celestial não está disposto a nos perdoar e resgatar da consequência de nossos pecados e transgressões, a nós que o adoramos e louvamos pelo que ele é e por suas grandes obras! Eis o motivo de Deus haver considerado Davi um homem segundo o seu coração (1Sm 13:14). Pois o nome de Davi está para sempre associado ao louvor e a adoração que emanam dos Salmos, escritos na maior parte por sua mão. Nenhum homem de Deus, no entanto, cometeu maiores erros do que ele, sendo ao mesmo tempo tão honrado e preservado por Deus. Isto se deve ao fato de que, mesmo havendo perpetrado as maiores transgressões, o coração de Davi se alteava sempre em direção a Deus para desvelar e exaltar suas qualidades. Davi possuía, sem dúvida, um coração de adorador. Tal homem é buscado por Deus e é por causa de homens deste tipo  que Ele enviou seu filho à esta terra para resgatá-los da condenação eterna, salvando-os do inferno e do lago de fogo.

Louvai ao Senhor! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder! (Sl 150:1)

Andar Com Deus


Quando os hebreus saíram do Egito conduzidos por Moisés, Deus "ia adiante deles, de dia em uma coluna de nuvem para os guiar e de noite em uma coluna de fogo para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite." (Êxodo 13:21)

Tal deve ser o andar do povo de Deus nesta terra que se assemelha a um deserto o qual devemos atravessar para alcançarmos a terra prometida: sempre com a visão de Deus diante de nossos olhos, de dia e de noite. Abandonamos o Egito no momento de nossa conversão, deixando para trás a multidão de falsos deuses e crenças infantis; passamos pelas águas do mar vermelho, uma prefiguração do batismo, tendo ficado nelas, submerso na sua escuridão mais profunda, o exército de inimigos demoníacos e poderosos que nos assediava constantemente; no momento presente encontramo-nos no deserto indo em direção à Canaã celestial. Depende de nós, da maneira como iremos comportar-nos, do que iremos fazer com a plena liberdade a qual nos foi outorgada por Deus, chegarmos rapidamente por um caminho reto à terra prometida ou ficarmos andando em círculos no deserto por quarenta anos, como foi o caso dos israelitas. Deus vai a nossa  frente no calor do dia, na forma de uma coluna de nuvem; e Deus também vai a nossa frente transformando a escuridão da noite, na forma  de uma coluna de fogo. Como é reconfortante esta presença de Deus andando a nossa frente!

O andar com Deus no deserto é como a vida das crianças que habitam com seu pai em uma casa bem construída e tem plena confiança de que ele tem poder para guardá-las de todo mal em segurança, e está determinado a fazê-lo. Tais crianças podem ficar descansadas, sabendo que não serão molestadas e nada lhes faltará. Devem, no entanto, obedecer ao  pai seguindo-o para onde ele as conduzir.

Mas existe uma verdade mais profunda oculta nesta passagem, além de mostrar que temos a presença de Deus conosco guardando-nos de todas as vicissitudes do caminho. O principal motivo de haver uma coluna de nuvem durante o dia não era para amenizar o calor do deserto, nem a coluna de fogo durante a noite servia principalmente para alumiar as trevas daquela terra desolada. O objetivo maior de Deus encontra-se revelado nas palavras que encerram o versículo, dizendo que tudo aquilo tinha como objetivo que eles "caminhassem de dia e de noite."

É isto, na verdade, que Deus espera de seu povo e de cada um de nós particularmente: que caminhemos de dia e de noite. No mundo existem pessoas que gostam de fazer todas as suas tarefas durante o dia e dormir a noite, as quais são a maioria; e existem também aquelas que gostam de fazer as suas tarefas a noite, conhecidas como aquelas que "trocam o dia pela noite." Dos seus filhos, entretanto, Deus espera que caminhem de dia e de noite. Ele quer que aproveitemos integralmente o nosso tempo nesta terra. Como disse certa vez o apóstolo Paulo, para nós "o tempo se abrevia." (1Co 7:29) Isto significa que devemos adotar um uso judicioso do tempo com vistas ao nosso aperfeiçoamento como filhos de Deus "até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo." (Ef 4:13)

Lemos ainda no versículo já citado que Deus "ia adiante deles." Ao contrário do que se imagina, a coluna de nuvem não permanecia sobre os hebreus, ela estava sempre indo adiante, passando à sua frente! Tal fato significa que se eles permanecessem parados não ficariam mais sobre a proteção da nuvem e iriam queimar no sol escaldante do deserto. Quão grande é a sabedoria com a qual Deus opera em todos os seus caminhos! Desta forma, Ele fazia com que os hebreus caminhassem sem parar. O fato de a coluna estar adiante deles era para que não ficassem estacionados em qualquer lugar no deserto, o qual julgariam aprazível por causa da sombra constante. Eles já tinham água da rocha para beber e o maná para se alimentar, se tivessem também um lugar de sombra constante, porque motivo sairiam a vagar pelo deserto, tentando alcançar a terra de Canaã? Todos querem sombra e água fresca!

Assim também Deus age em nossas vidas, sendo visto por nós como estando sempre a nossa frente e em movimento. Como filhos de Deus almejamos conhecê-lo mais, porém quando julgamos ter uma intimidade maior com Ele já o percebemos num nível mais elevado, o qual só podemos alcançar indo adiante e deixando o deserto para trás com suas ilusões. E a isto somos obrigados, do contrário ficaremos fora do âmbito refrescante da sombra de Deus e do âmbito tranquilizante de sua luz. Pois ele é uma coluna de nuvem e uma coluna de fogo avançando a nossa frente, forçando-nos a segui-lo em direção a terra prometida.